17 de dezembro de 2017
Manaus, BR
°C

Notícias

O primeiro campeão da Arena

Por Paola Paiva

A emoção foi maior que a Arena da Amazônia. Faltava pouco para o fim do segundo tempo. Quatro minutos de acréscimo. Júnior Paraíba já havia aberto o placar para o Naça e Nando entrava para a história como o primeiro amazonense a fazer gol no estádio da Copa. Orações não eram suficientes e pareciam não ter fim na arquibancada. Os batimentos cardíacos de quem estava dentro e fora de campo chegavam a mil por hora.

Dois minutos para o fim da partida. Naça e Princesa continuavam empatados. Foram muitas as tentativas de gol até a arrancada de Charles do meio de campo. O meia atacante driblou a zaga adversária e fez um golaço. O camisa 10 conseguiu o feito de fechar com chave de ouro o placar da grande final, 2 x 1 para o Mais Querido. Festa na Arena da Amazônia. Nacional conquista o 43º título e consagra-se BICAMPEÃO Amazonense.

[srizonfbalbum id=1]

Ninguém conseguiu segurar a emoção. Até o mais durão do “tipo Aderbal Lana” não era capaz de driblar o choro. Por falar nele, o técnico nacionalino fazia toda questão de demostrar a felicidade e o agradecimento que estavam estampados em seu olhar, enquanto abraçava membros da comissão técnica e jogadores.

“Importante, você fica na história. Dedico esse título aos jogadores que cumpriram com aquilo que a gente queria. Só tenho a agradecer. O trabalho foi árduo e a batalha foi difícil, mas conseguimos mostrar que sabemos fazer futebol”, declarava o lendário Lana durante a exaltação da conquista de mais um título no Amazonense. Foi épico.

No meio de toda aquela festa dentro de campo, com jogadores emocionados e jornalistas buscando as melhores declarações e fotos, a torcida continuava única, pois apesar de pequena em número, era gigante em paixão e devoção pelo Naça.

Paixão e devoção que foram reverenciadas pelo herói Rodrigo Ramos. Atitude nobre do goleiro que teve a árdua missão de ser um paredão frente a raça de um Tubarão que joga “com sangue nos olhos”. Foram belas defesas. Gigantes do tamanho da Arena.

Foi único. Quem estava lá, não vai esquecer. Quem não estava, mas conseguiu acompanhar cada lance através do rádio, TV ou internet, também não.

Pela primeira vez, vimos um time amazonense conquistar um título no estádio que sediou jogos de uma Copa do Mundo. E esse time foi o Nacional Futebol Clube.

Definitivamente, foi o Barezão dos Barezões.